Make your own free website on Tripod.com
 

Descrição do Funcionamento do TRANSMISSOR DE SOM
do Pe. LANDELL através de uma ONDA PORTADORA DE LUZ
 
 
 
As patentes obtidas pelo Pe. Roberto Landel de Moura nos Estados Unidos, foram:
                                Wave Transmitter - Patent N. 771.917 - Oct/11/1904
                                Wireless Telephone - Patent N.775.337 - Nov/11/1904
                                Wireless Telegraph - Patent N.775.846 - Nov/22/1904

 
WIRELES TELEPHONE
               
O objeto da invenção do Pe. Landell, "Wireless Telephone", patente 775.337, obtida do governo dos EE.UU, em Nova York, Manhattan, através do Patent Office em 11 Nov/1904 segundo as palavras do Pe. Landell  era:
Transmitir e receber mensagens à distancia, por meio de Sons,  e ondas eletricas, correspondentes a palavras articuladas, sem auxilio de fios. O aparelho
completo contemplava várias funções: Possibilitava a transmissão da palavra articulada, tendo como portadora uma onde de LUZ; era dotado de um transmissor telegráfico, permitindo o uso
do código Morse ou outro qualquer, via ondas eletromagnéticas e ainda era possível telegrafar
via pulsos de luz intermitentes. Era contemplado ainda por um sistema de sinalização que permitia
chamar a atenção dos operadores dos aparelhos.

Nos idos de 1893 o Pe. Landell já tinha testado com pleno êxito este apareho. Fez várias experiências, algumas das quais tentando interessar as autoridades e conseguir financiadores para o aperfeiçoamento e exploração industrial de seu invento. No ano de  1900, no dia 03 de Junho, fez uma experiência colocando dois aparelhos transceptores, um nos altos do Bairro de S'Antana e o outro nos altos da Av. Paulista, em São Paulo, onde realisou experiência em presença do Consul Britânico em São Paulo, P.C.P. Lupton, fazendo uma demonstração de seu invento provando que era possível transmitir a voz humana, sem o auxílio de fios. A distância coberta foi aproximadamente de
8 quilometros

 

Diagrama esquemático do Transmissor/Receptor
    Figura 1
 
Montagem do Transmissor/Receptor
 Figura 2
 
Circuito detetor de Som
Figura 4
 
Vamos nos ater no presente capítulo com a descrição do funcionamente sómente da parte que se
refere ao TRANSMISSOR  da palavra articulada, utilizando como portadora uma onda de LUZ
 
Temos na figura 02 o desenho de montagem do Transmissor/Receptor onde podemos observar
 uma câmara contendo em seu lado esquerdo um espelho parabólico, no foco do qual está montado uma lâmpada de Arco Voltaico. Os raios produzidos por essa lâmpada que foi muito utilizada nos projetores de cinema, saem do foco e ao chegarem  à superfície parabólica do espelho são refletidas para a frente saindo paralelamente à linha que une o foco ao centro da superfície do espelho. Logo a seguir podemos observar em um outro segmento da câmara uma Placa de Quartzo que é transparente e permite a passagem dos raios luminosos provindos da superfície do espelho parabólico.

Podemos observar  um pouco mais abaixo um pequeno ventilador elétrico que gera um corrente de ar que através de uma tubulação  é canalizada para dentro deste outro segmento da câmara onde está a placa de quartzo, pressurizando assim a câmara em um dado valor.
Observa-se também dois bocais por onde é introduzida a fala, onde as vibraçoes sonoras são misturadas à corrente de ar gerada pelo pequeno ventilador elétrico.
As vibrações sonoras chegando à câmara farão com que a placa de quartzo vibre na mesma frequência dos sinais sonoros, tendo como conseqüencia que a INTENSIDADE DO SINAL DE LUZ, varie de acordo com as variações da freqüencia e  amplitude do sinal de som.
O Sinal de Luz após a passagem por este segmento da câmara está portanto MODULADO, pelo sinal de Audio.
 
Como detetar na outra ponta o sinal de audio transportado pela LUZ?
Veja a figura 4

O Pe. Landell colocou na parte da frente do aparelho, no centro, um outro pequeno espelho parabólico, uma placa detetora de Luz, utilizando uma propriedade do Selenio, que faz variar inversamente a sua resistência elétrica de acordo com a intensidade de luz incidente.
A luz incidente então no foco do pequeno espelho parabólico, onde está a placa de selenio, fazia variar sua resistência elétrica, e estando esta placa de selênio em um circuito série dotado de um um fone, podia ouvir-se então as variações da corrente elétrica, convertidas pelo transdutor, o sinal de audio, percebendo-se nitidamente a mensagem.

Particularidade Notável
Dois aparelhos como os da fig.2 ajustados um diante do outro e a uma distancia relativamente curta podem ser usados para transmitir e receber acusticamente quer dizer sem o uso do fone e também sem o uso da placa de Selenio. Então , para transmitir, o operador, depois de por em funcionamento o ventilador e a luz do Arco Voltaico, falará através de um dos bocais, fechando o outro. Para receber parará o ventilador e e levará os bocais aos ouvidos. O ventilador só é usado na transmissão.
 
Uso normal do aparelho
 
 No uso normal do aparelho para se ouvir os sons transmitidos a grandes distancias pode-se utilizar o fone, contido no circuito série com a cécula de selênio, ou levando-se os os bocais  aos ouvidos, sendo que nesta situação obviamente ambas as lâmpadas de arco voltaico dos aparelhos estão funcionando e também os respectivos ventiladores.

Sinalização
Para chamar a atenção dos operadores é enviado um sinal por código Morse ou outro qualquer.
A descrição técnica mais detalhada do funcionamento faremos em outros capítulos. Quizemos dar uma idéia geral do funcionamento do aparelho no que concerne a transmissão da informação sonora via ondas de LUZ.

Os aparelhos são munidos em sua parte superior de um telescópio para ajuste de direcionamento, um nível, uma bússola, e ajuste de altura através de uma manivela que permite o deslisamento de uma cremalheira, acoplada à parte superior do transmissor/receptor.
 
  Regressar à página principal